La Llorona

Ninguém sabe ao certo

Por onde os ventos sopram

naqueles vales desertos.

Neles, ecoam, baixinho,

Uivos chorosos de alguém

Completamente perdido

Num labirinto infinito.

Seu coração clama piedosamente

Por compreensão e perdão

Ou mesmo por um pouco de paz.

Eles foram fruto da desgraça

Que por muito destroçou sua mente,

Foi o que sussurrou, a Ira em seu ouvido,

Jogue-os no rio, deixe-os ir.

Céus, se pudessem ver como amou

O que perdeu em busca desse amor

Que agora a exclui sem eira nem beira

Quantos se foram para que ele pudesse entrar

E viver dentro de seu peito.

Agora, ela chora pelo engano cometido.

O sacrifício daqueles de seu ventre

Levada pela ira do coração

A faz ter o respeito da vilania,

Que se esconde nas luas cheias,

Escutando seu choro.

Ela vaga pelas ruas,

Beija os infantes dormentes

Ajoelha pelas igrejas

E corre ao rio vestida de branco.

Suas lágrimas são a prova de seu fardo

Que o passado lhe impôs.

Ninguém sabe ao certo

Por onde andou Chorona

A quem seus olhos lacrimejam,

O que guarda seu coração

O que busca nos infantes

Mas todos sentem seu pesar

Em cada luar claro das noites.


Alexandra Feodorovna in red by. Por Christina Robertson. Óleo sobre tela. 1840.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Holograma